domingo, 30 de março de 2008

O engenheiro do hospital

Quando em 1969, terminados os estágios de fim de curso, procurava o primeiro emprego, soube da existência de uma vaga no Hospital de S. João e fiz a pergunta: Engenheiro num hospital?! A fazer o quê?!
Do pouco que conhecia dos hospitais só sabia da existência de uns senhores e senhoras de bata branca e que tratavam da saúde à gente. Não via a ligação das engenharias a tal ambiente.
Como tinha de arranjar emprego, lá concorri e entrei. Só então é que encontrei as respostas à minha pergunta.

A pergunta perseguiu-me durante toda a vida profissional. Quando dizia a alguém que trabalhava num hospital, lá vinha a pergunta: Engenheiro num hospital?! A fazer o quê?!

Vou tentar explicar, até porque já encontrei pessoas ligadas aos Recursos Humanos do Ministério da Saúde (princípio da década de 1980) que não sabiam, embora estivessem a elaborar quadros de pessoal para hospitais.

No caso dos Hospital de S. João, trata-se de um edifício com milhares de portas, dezenas de quilómetros de canalizações eléctricas, de águas, de esgotos, de gases medicinais, milhares de aparelhos de toda a ordem, desde os enormes aparelhos de raios X ao agrafador da secretaria. Alguém tem de tratar daquilo tudo! Terá de haver uma equipa técnica, onde cabe sem dúvida a função de engenheiro. Nos hospitais mais pequenos, tudo se mantém, evidentemente na sua devida escala.

Dizia o Prof. Eng.º Eduardo Caetano, autoridade mundial no assunto, que o funcionamento do hospital assenta em 4 "pilares": o pessoal, o material (de consumo), as instalações e os equipamentos, considerando-se instalações o edifício e tudo que lhe é solidário e equipamentos todos os artefactos que se ligam, ou não, às instalações.

Temos portanto que caberá à equipa técnica tratar de 2 dos 4 "pilares" do hospital: das instalações e dos equipamentos.
Para tal existe um serviço que tem exactamente esse nome - Serviço de Instalações e Equipamentos - cuja função é fazer a gestão e manutenção desses 2 "pilares".

Aqui começam os problemas com que os profissionais se debatem diariamente. É que se trata de uma função não existente expressamente na lei, Estatuto Hospitalar, cuja última actualização é de 1964, quando a realidade era muito diferente. Nessa altura falava-se muito vagamente de "manutenção do património", dependente dos Serviços de Aprovisionamentos e verdadeiramente um apêndice.
Era frequente, nos velhos hospitais da Misericórdia, que a função fosse exercida pelo jardineiro "jeitoso", não raramente semi-analfabeto.

Com a passagem dos hospitais das Misericórdias a públicos, decorrente do 25 de Abril, criaram-se em todos eles equipas técnicas com engenheiros, embora se mantivesse a omissão legal das respectivas funções, o que levou a que os engenheiros tivessem uma função fundamental nos hospitais - serem os culpados. Como não estão definidas as funções, não podem argumentar que qualquer problema não é com eles, desde a avaria de um equipamento até ao facto de a sopa estar fria... Logo, são os culpados!

Para além das funções de gestão da manutenção e exploração das instalações e dos equipamentos, cabem ainda ao engenheiro, sempre informalmente, funções de colaboração na escolha e aquisição de equipamentos, processos relacionados com obras, questões ambientais, etc....

Espero ter levantado um pouco o véu sob o qual estes funcionários têm vivido, numa profissão sem dúvida aliciante e exigente - estão a suportar vidas - , embora muitas vezes incompreendida, e deixo uma homenagem a todos esses meus colegas, esperando que tenha contribuído para o seu reconhecimento a nível dos restantes cidadãos.

2 comentários:

Câmera Digital disse...

Hello. This post is likeable, and your blog is very interesting, congratulations :-). I will add in my blogroll =). If possible gives a last there on my blog, it is about the Câmera Digital, I hope you enjoy. The address is http://camera-fotografica-digital.blogspot.com. A hug.

Anónimo disse...

Amiable fill someone in on and this fill someone in on helped me alot in my college assignement. Thanks you for your information.