quinta-feira, 27 de dezembro de 2007

A fúria anti-tabágica

Antes de mais, e em jeito de declaração de interesses, devo dizer que deixei de fumar há 8 meses, mas recuso os fundamentalismos dos "convertidos" ao não tabagismo.

Na discussão que se gerou acerca da nova lei anti-tabágica, parece-me que há grossas asneiras de parte a parte, especialmente no que se refere à discussão entre os proprietários de estabelecimentos de restauração e o governo.

Os estabelecimentos tiveram 1 ano para se adaptarem e estudarem a melhor saída para a situação. Em muitos países vi soluções há mais de 10 anos. Desde restaurantes com salas para fumadores e não fumadores, até hotéis com andares diferentes para cada situação. Não há portanto nada a inventar, bastando estudar um pouco e adaptar as soluções que outros já encontraram. Assim, não há razões para estarem com dúvidas a uma semana da entrada em vigor da lei.

Por parte do governo, a falta de explicações e arrogância do costume. Ainda hoje vi um comunicado da Direcção-Geral da Saúde, em que se afirmava que, não havendo uma solução eficaz para a extracção total de fumos das salas de fumadores, nem características de equipamentos de extracção aprovadas, se recorria a uma complicada medição da qualidade do ar. Também houve muito tempo para definirem os sistemas de extracção de fumos.

Infelizmente já estamos habituados ao atabalhoamento legislativo. Ainda hoje foram também noticiadas as dúvidas quanto às cadeirinhas para crianças em transportes (a exclusão das viaturas das autarquias e transportes colectivos tem um piadão. Estes não podem ter acidentes? E a segurança das crianças?) e quanto aos exames necessários para a renovação da carta de condução a partir de 1 de Janeiro (faltam 4 dias!).

Com a praxis a que nos habituaram, não me admira que, 30 minutos depois da passagem de ano, apareçam os embuçados da ASAE a apontarem a shotgun à cabeça do pacato cidadão que está a festejar e a fumar o charutito da ordem.

Já que se trata de fundamentalismo defensivo da saúde pública, por que não as autoridades da saúde darem uma inspecção às salas de espera das consultas e urgências dos centros de saúde e hospitais, sem o mínimo de ventilação e onde uma pessoa pode entrar com uma simples dor nas costas e sair com várias e graves doenças de transmissão aérea? Se quiserem mesmo saber de alguns, leiam os relatórios de conforto dos hospitais S.A. referentes a 2004. Estão no site dos hospitais E.P.E.. http://www.hospitaisepe.min-saude.pt/Comunicacao_Actualidade/Biblioteca_Online/com_servico_utente/Programa_Conforto_Hospitais.htm

É que assim já não os podiam acusar de hipocrisia!

2 comentários:

Nuno Guimas disse...

Também devia haver uma zona EN109 e uma zona não EN109. Eu escolhia esta última. Xiça, com estradas destas morremos todos antes dos efeitos do tabaco de terceiros :).

Armando Quintas disse...

Eu sou a favor da lei e só peca por ser tardia, os proprietários não vão perder clientes por proibirem o fumar, as pessoas vão continuar a ir ao local do costume, se querem fumar fumem na rua à entrada ou saida, eu não tenho a obrigação de estar num local a levar com a fumaceira de outros, se se querem envenenar façam-o mas não prejudiquem os outros.
Quem frequenta a noite sabe como sai de uma discoteca cheio de fumo nos pulmões, na roupa e no cabelo, uma pessoa vai para se devertir e paga o mesmo que os restantes, merece respeito, esta lei surgiu por falta de civismo dos fumadores, que não tem civismo e acham que podem impor tudo aos outros, fumem na rua e ponto final.