terça-feira, 24 de junho de 2008

Exemplos...

Esta noite fui alertado pela notícia de que a um reformado da Força Aérea que tinha reclamado sobre os Serviços de Saúde daquele ramo das Forças Armadas, foi respondido que os Serviços de Saúde eram preferencialmente para os elementos do activo e só depois para os reformados.

Ou seja: um militar que deu o melhor de dezenas de anos da sua vida à instituição militar e ao país é relegado como um trapo velho para a caixa das inutilidades, talvez em nome da eficiência de gestão, da moral desta sociedade de "sucesso" e outras baboseiras que nos impingem todos os dias.

Mal vai um país que trata assim aqueles que lhe deram o seu melhor!

O indivíduo que deu tal resposta, a que não chamo "senhor" por respeito a muitos SENHORES que conheço, esquece-se que, se lá chegar, vai para a mesma situação, onde certamente os do "activo" o tratarão, merecidamente, como eu não trato um cão.

2 comentários:

ewelyne disse...

É incrível como demoramos a nos acostumar que esses tipos de serviços nunca mundam... Não importa o que fizemos ou o quanto fomos bons, nunca será será o bastante, e merecer nem sempre é uma palavra que faz sentido. E ainda assim, diante de todos os fatos, de todos os relatos insistimos em acreditar que um dia isso vai mudar, que dias melhores virão, que o básico existirá pra nós. O difícil é saber que geração alcansará esse "básico" que deveria ser nosso por direito. Nossos filhos? Nossos netos? quem? Quando? é preciso admitir que qaundo esse dia chegar o básico não será mais básico. e que estamos andando em círculos. Onde é que vamos parar...?

Guimaraes disse...

Ewelyne

Filho de militar, passei as minhas meninice e juventude em quartéis, no convívio do que se chamava a "Família Militar", onde aprendi os valores da camaradagem e da solidariedade.
É com revolta que assisto agora à negação de todos esses valores, em nome de uma globalização em que os únicos valores são o dinheiro e o poder pessoal.