terça-feira, 4 de setembro de 2007

Educação feudal

O Ministério da Educação acabou de dar mais uma prova de actuação com desprezo pelos professores, numa atitude que só pode classificar-se de feudal. A Senhora dispõe e os servos (atentos, veneradores e obrigados) executam.
Aconteceu com o concurso de colocação de professores, cujos resultados saíram cerca das 21H00 do dia 31 de Agosto, sexta-feira. Os professores deveriam apresentar-se nos locais que lhes foram destinados na manhã do dia 3 de Setembro, segunda-feira seguinte.
Muitos teriam de se deslocar muitas dezenas, até centenas, de quilómetros das suas residências, para terras de cuja existência provavelmente nem desconfiariam.
Trata-se de gente, provavelmente com família, cuja deslocação implica procura de alojamento, colocação dos filhos em escolas e creches, etc.
Claro que nada disto afecta os dirigentes do Ministério da Educação, residentes em Lisboa (os que são da "província" nem querem que lhes lembre!), para quem o país só existe entre a Ota e Alcochete. Dentro deste espaço, dada a proximidade, não existem os problemas citados.
Por outro lado, os professores são uma classe perigosa, que apresenta o risco de alguns quererem ensinar os alunos a pensar.
Sabemos que foi o pensamento do Renascimento que acabou com o feudalismo.
Assim, estas atitudes autoritárias e prepotentes do Ministério da Educação parecem ser uma reacção de auto-defesa de uma classe política que se imagina a viver nos tempos feudais.

3 comentários:

Nuno Guimas disse...

E o que dizer da espectacular iniciativa dos SMSs? Os Professores por "apenas 50 cêntimos" poderiam enviar um SMS para o numero dado na DGRHE para receber o aviso de que as listas "já" tinham saído. Isto manteve-se até às 20.30, hora em que finalmente foram publicadas as listas. É o "choque tecnológico" em todo o seu explendor. Mais uma forma de engavetar dinheiro às custas das necessidades e ansiedades daqueles que não fazem parte da "Côrte".

Luis Melo Biscaia disse...

Não posso deixar de vir agradecer-lhe os comentários que tão gentilmente tem feito a escritos meus.
Ainda bem que vai havendo quem aprecie e viva fiel a princípios e valores que devem orientar-nos na nossa conduta cívica e política.
Bem haja!

joseane disse...

axo isso otimo!